13 de março de 2011

Escolhas. Quando você começa a fazê-las? Quando você se dá conta de que a sua vida é cheia delas? Talvez a única coisa na vida que você não pode escolher é nascer e morrer, ou quem serão seus pais e sua família. O resto da sua vida sempre será implicado nas escolhas que você fez e virá a fazer. Algumas dessas escolhas mexem com a sua vida, e deixam seu pensamento de cabeça para baixo. Coisas que tinham tudo para serem simples, se tornam uma das tarefas mais dificeis. Uma escolha fácil pode arruinar a sua vida, assim como uma escolha absurdamente dificil pode lhe fazer a pessoa mais feliz do mundo. Quantas escolhas. Eu aposto que somente no dia de hoje você já deve ter feito pelo menos 2 escolhas, não é? Das escolhas mais simples como o que você gostaria de tomar no café da manhã, até um pouco mais dificil, como o que fazer com aquele relacionamento que foi para o esgoto. A cada segundo a vida precisamos nos dar conta de que essas escolhas nos representam, somos nós que decidimos o que queremos, nós que decidimos se queremos reclamar ou mudar aquela escolha. Passei a madrugada pensando nisso, escolhas e escolhas. Estou em uma fase que essas escolhas estão me fazendo surtar a casa palavra pensada. Palavras que podem fazer minha vida mudar quando colocadas em prática, ou serem somente palavras ao vento. Tudo é questão de escolha, não é? Seguir em frente e quem sabe ser um adulto frustrado, ou mudar radicalmente essa estrada e me arriscar a cada passo dado? Nossas escolhas realmente são nossas, mas existe um mundo ao nosso redor que na maioria das vezes depende dessas nossas decisões. Uma palavra pode machucar absurdamente, uma atitude também. Assim é a decisão tomada de forma errônea. Mas não temos como saber se será errado ou não. Erros nos fazem humanos por serem inevitáveis. Tenho dito isso diariamente para mim. Todos erram, eu posso errar também, afinal, essa é a vida. Por que essas escolhas são tão dificeis? Poderiam eternamente ficar no campo das escolhas bobas, mas não, quando nos tornamos adultos elas deixam de ser simplesmente 'Qual brinquedo será o de hoje?' ou 'Qual desenho irei assistir?', e se tornam 'Será que esse curso é o que realmente quero para o resto da minha vida?', 'Será que eu consigo fazer dois cursos ao mesmo tempo?' e 'Me formar e me arriscar em um estado no qual nunca morei, é algo a se fazer?'. Por mais indecisos que sejamos, precisamos decidir. A vida é feita de decisões, opções, escolhas. Mas penso que talvez seja melhor escolher e se arrepender, do que passar a vida pensando em como seria tal escolha. Ó vida cruel!

2 comentários:

Thiago C. disse...

As escolhas que você faz definem quem você é. Concordo que crescer é uma confusão, principalmente no final da adolescência e nos primeiros anos da sua fase dos vinte. Todo mundo pensa nessas coisas. Dizem que com o tempo melhora, ou vai ver a gente só se conforma. Só vivendo para saber, ou não. (...)

Brunna disse...

Concordo com o que escreveram aqui em cima, as escolhas que você faz definem quem você é. E temos que acarretar com elas.
Bem vinda ao inicio da vida adulta, depois piora!